fernanda grizzo


às vezes levamos um susto ao constatarmos que nem tudo que gostamos ou queremos fazer precisa estar vinculado diretamente com “ganhar dinheiro” – quantos projetos pessoais você deixou de lado por achar que não valia a pena porque não traria algum tipo de retorno financeiro? às vezes temos a oportunidade de simplesmente fazer. criar. fazer nascer. e quando isso acontece, nosso mundo dá um leve chacoalhar que nos faz suspirar e perceber a imensidão em que estamos imersos e mal nos damos conta. não? acontece comigo. às vezes.
aconteceu quando vi o trabalho sutil, forte e lindo da fernanda grizzo, que produz joias:


como é sua relação com trabalho? existe alguma linha divisória entre o que você faz e o que você é? Minha relação com o trabalho é um tanto esquisita, não consigo dissociar de quem sou, dos meu valores e modo de vida do que eu faço, e esse foi um dos grandes motivos que me fizeram abandonar o curo de psicologia e abraçar o design de joias. Eu ficava numa agonia tremenda de ter escolhido uma profissão que não se encaixava com a minha ideia de felicidade, que não me permitiria trabalhar em casa, viajando, ou que tivesse uma estrutura muito rígida. Não me dou nada bem com coisas rígidas demais e, até hoje, sendo designer, me pego questionando o motivo de ter que trabalhar pro resto da vida, sabe? No começo do curso eu estava muito frustrada com esse lance de fazer ornamentos estéticos e consumistas, inclusive na faculdade te ensinam muito como pegar na veia da necessidade supérflua e explorar isso ao máximo, e eu me recuso a fazer isso, não acredito em um mundo movido a desejos momentâneos, e vivo brigando internamente com essa realidade, então tento trazer nas minhas joias outras coisas.

há vários momentos em que precisamos nos renovar/reinventar/renascer de alguma forma. pra você, como isso acontece? Me reinventar e renovar nunca foi um grande problema, sempre mudei muito de cidade e tive que lidar com essa realidade desde sempre, além de ser geminiana, o que também ajuda muito nessa questão das mudanças. Meus processos de renovação são bem orgânicos e fluidos: começo a ficar frustrada e incomodada com algo e me recolho para processar o que é toda a situação, me trabalhar internamente para ressurgir em uma nova pele. Como estudo xamanismo, paganismo e ocultismo, aprendi a respeitar e entender minhas mudanças lunares e menstruais, que ocorrem mensalmente, assim como as mudanças anuais. A natureza passa por ciclos de vida e morte naturalmente, e nós, como espelhos que somos dela, passamos pelas mesmas energias; o problema é que muitas vezes lutamos contra o fluxo externo, e isso causa muita angústia. Aprender a fluir com as estações e com a minha lua foi de importância imensa nesses processos de mutação, tudo fica bem mais fácil quando entendemos as energias que nos são internas e externas e sincronizamos as duas.


fernanda grizzo


o que te atrai – ou te atraiu – no universo do design de joias? como é seu processo criativo? Quando eu pensei em fazer Design de Joias tive um estalo, não pensei muito, exaustivamente, sobre isso. Desde pequena eu tenho muita facilidade com trabalhos manuais, sempre gostei de ferramentas e entendi o mecanismo das coisas, então acabei juntando o útil ao agradável. Quando cheguei na faculdade foi um choque, além de eu não saber nada sobre designers, marcas e outras nuances do mercado, descobri que minhas expectativas com o curso eram um tanto diferentes do que as dos demais. Meu processo criativo é indissociável dos meus processos fora do ambiente profissional, então conto muito com a intuição, o meu sentir e a ajuda da espiritualidade, que sempre me ampara e abre portas que eu nem imaginaria possíveis. Começo muitas ideias, largo mil pela metade, volto pra essas ideias depois, é uma confusão, não é nada linear. Pra mim, é de extrema importância poder me recolher, passar tempo sozinha, observar meu mundo interno, e também meus estudos no mundo ocultista, pois são eles que me trazem material para estimular veias de cura e reflexão, redescoberta de quem se é, através das joias.

você passa por instantes offline? ou tenta estar sempre online? como você costuma lidar com tecnologia & internet, nesse sentido? Eu costumo ter momentos offline, que são absurdamente libertadores. Queria poder viver desconectada sem prejuízos sociais e econômicos, mas como me mudo muito e minha maior plataforma de vendas e divulgação é a internet, acabo ficando muito tempo online. Me incomoda muito uma percepção que tive recentemente, sobre como estar sem fazer nada ultimamente tem significado pra mim, estar online está na lista de mudanças a serem feitas na vida, inclusive.

o que te faz se mover? e o que te aquieta? A vida me faz me mover, perceber o quão injustas são as coisas, os meios de produção, a sociedade como um todo, me faz ter um gás enorme pra buscar novos meios de vida e de ação. É quando eu me pego nos piores momentos de desespero com esse sistema de produção escravizante que eu respiro fundo, e me lembro que se ninguém agir pela mudança, vamos continuar na mesma, e mano, QUE REALIDADE HORRÍVEL. É muito uma questão do se mover por necessidade mesmo, fico sempre buscando um plateau onde tudo seja estável e calmo, e fico triste por perceber que talvez nunca chegue a viver essa realidade, mas vamos fazendo o possível, sem perder a cabeça e sem se sacrificar pelos valores vigentes. O que me aquieta é a espiritualidade, o contato com meus guias, meus Deuses, meus momentos sozinha, a companhia das pessoas com quem me identifico num nível bem profundo, os rituais que faço, enfim, o contato com meu ser mais profundo e selvagem.

quais são suas coisas (qualquer coisa!) favoritas atualmente? Minhas coisas favoritas atualmente são meu clã de xamanismo, As Filhas da Terra, meu coven de bruxaria, os estudos nessa área, que não me cansam nunca, sempre tem algo novo a aprender e descobrir. Me deleito resolvendo antigas questões do meu ser nessas ocasiões. E dormir, sempre amo dormir.

descreva seu lugar preferido: Eu não tenho um lugar preferido, talvez seja meu quarto. Quando eu tinha um carro era meu carro, na estrada, sozinha.

quais são seus planos para o futuro próximo? Atualmente meus planos são me formar, hahahaha, abrir oficialmente a loja da Ouroboros, terminar minha iniciação na magia, e fazer circular na casa que moro atualmente rituais, cursos, rodas de cura e outras coisas envolvidas. Acho difícil fazer planos de longo prazo, pois além de nunca seguir esses planos, como eu disse, detesto coisas rígidas, então vou vivendo e deixando a vida acontecer, confiando no meu caminho, no meu coração, e na espiritualidade que me guia.

como você conversa consigo mesma? Com a boca, falando mesmo, tirando Tarot, meditando, e principalmente com as medicinas da floresta, que me fazem ter as conversas mais incríveis comigo mesma.


fernanda grizzo fernanda grizzo

por mariana t. k.