“percebo a tatuagem como a abertura de um portal visual na pele, uma experiência realmente transcendental, um ritual muito intenso, em que entro em total meditação e canalizo toda minha energia para realizá-lo”. é o que diz paola alfamor, que utiliza a técnica conhecida como “hand poke” ou “ponto a ponto”, em que a máquina é substituída por agulha, tinta e muito amor. como suporte para a agulha, a artista nômade polimorfa usa um cristal de quartzo: “pois acredito que essa pedra tem o poder de absorver as energias negativas e potencializar as energias positivas, no corpo físico e espiritual”. o processo acaba se tornando menos doloroso e de cicatrização mais rápida.

 

caneta de cristal feita para tatuar paola alfamor

tatuagem feita a mão de paola alfamor

foto de tatuadora tatuando moça


há alguns quilômetros de distância, stanislava pinchuk ou miso, também se dedica à arte de desenhar permanentemente sobre a pele. os resultados são sempre delicados, singelos e muito belos; o que é curioso e interessante é que ela troca as tatuagens por fotografias, um jantar, desenhos. no mínimo, instigante.

recentemente, ela publicou um zine com as fotografias e os desenhos feitos para as tatuagens. eu quero!

 

foto dos zines da tatuadora miso página do zine da tatuadora miso miso

 

(confesso que estou aqui me remoendo pra ter umas tatuagens dessas, e pra aprender a técnica, também!)

 

por mariana t. k.
olho–roxo / mtk