te alejas de los nombres
que hilan el silencio de las cosas
                         Alejandra Pizarnik

 

Um dia, eu estava caminhando pela orla e passava por uma etapa da minha vida em que jogava muito com os opostos, daí surgiu empalagarme de mar. Não se pode empaturrar de mar, se encher de mar, beber todo mar (…) Eu vivi sempre na costa e se nota uma influência muito grande. Você se sente muito influenciado pela água, somos água; estar ao lado da maior água que existe é deixar-se influenciar pelas marés. A maré varia segundo a lua, imagina a força, é espetacular ver a natureza exercendo seu poder sem nenhuma defesa, o mar está aí, você está aí sem proteção alguma…

 

Mariana Pacho López é fotógrafa marplatense radicada em Buenos Aires. Sua história com a fotografia começou em 2006 e vem se cristalizando ano após ano. É um dos trabalhos mais sensíveis e interessantes para se ver e acompanhar.

Aqui, reproduzo alguns trechos de nossa conversa, realizada em setembro deste ano no charmoso bairro de Coghlan, onde divide apartamento com outros artistas.

 

fotografias de mariana pacho lopez

MORE